Manáuseas 11 meses atrás

ABRIL, GREVES MIL

Há uma lenda urbana diz ter havido muita “perícia” na tratativa da questão e celeridade na condução do processo de reajuste, sem razão para tal. Procedimento diametralmente oposto ao que ocorre com os professores agora. Evidentemente o impacto orçamentário e financeiro do reajuste salarial dos professores é colossal e requer discussão à exaustão.

compartilhar

Onde deseja compartilhar?

0 visitas.

Os professores da rede estadual de ensino não aceitaram a proposta de reajuste salarial, feita pelo governo do estado do Amazonas, de 14,5%. A categoria reivindica 35%. A decisão em assembleia foi pela permanência da greve por tempo indeterminado. Os professores querem e precisam ser valorizados.

Agora vamos “pra trasmente”, como diria o prefeito de Sucupira, Odorico Paraguaçu. Tudo começou quando o então candidato para o mandato-tampão ao governo do Amazonas, Amazonino Mendes, durante a sua campanha eleitoral, usou uma “estorinha de onça” que jurava amar o Amazona. A coisa colou e ele venceu sem susto.

Passados alguns meses o slogan do “novo” governo foi trocado para “amor à causa pública” – expressão recomendada pelo Ministério Público Federal -MPF fosse retirada da propaganda institucional, em fins de março, entendida que foi pela instituição, como expressão que continha promoção pessoal.

Antes disso, embriagado que estava por tão lindo sentimento, o vice-governador não resistiu aos encantos periciais e “comprou” a causa do Sindicato dos Peritos Oficiais do Amazonas (Sinpoeam), que ameaçava paralisação de suas atividades por melhores condições de trabalho e salário.

Em janeiro, a portas fechadas, foi realizada uma assembleia entre a categoria e o governo do estado na sede do Instituto Médico Legal (IML), local e ambiente sugestivo para quem queria a morte se o aumento salarial pretendido não vingasse. A categoria reclamava que estava há cinco anos sem receber reajuste.

Em fevereiro, a Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE), graças ao fantástico consumo de café, não dormiu em serviço. Acolheu a proposta apresentada pelo governo de reajuste de 40% – percentual acatado por unanimidade pelos peritos – e aprovou a reestruturação remuneratória para peritos criminais da Polícia Civil do Amazonas, proposta votada na Casa – sabe-se lá por que – em caráter de urgência.

A nova remuneração entrou em vigor de forma retroativa, a partir de 1º de janeiro de 2018. Há aumentos salariais espetaculares como, por exemplo, o Vencimento de R$ 4.076,86 que, somado a Gratificação de Exercício Policial no valor de R$ 20.675,97, totaliza R$ 24.752,83. Um salto olímpico com direito a medalha de ouro para os peritos, sem dúvida.

O governo prometeu, ainda, promover adequações no prédio do IML e a digitalização dos processos de registro, ambos em 2018.

Há uma lenda urbana que diz ter havido muita “perícia” na tratativa da questão e celeridade na condução do processo de reajuste, sem razão para tal. Procedimento diametralmente oposto ao que ocorre com os professores agora. Evidentemente o impacto orçamentário e financeiro do reajuste salarial dos professores é colossal e requer discussão à exaustão. Mas o governo deveria ter previsto isso, quando autorizou, às pressas e por “amor à causa pública”, o reajuste dos peritos.
Agora provocou uma reação em cadeia, um efeito dominó – ops, dominó! – que exigirá muita perícia para contorna-lo.

Ah! Só pra lembrar, ontem à tarde representantes do Sindicado dos Funcionários da Polícia Civil do Estado do Amazonas – Sinpol –Am, reuniram-se com o bondoso vice-governador, para tratar do reajuste que a categoria postula. A categoria foi convocada para deliberar sobre os caminhos que trilharão na negociação, hoje, às 19h:00.

Vem chumbo grosso por aí.

Comente

banner

Veja mais

banner
sobre

Lucio
Bezerra

Manauara, criado na José Clemente, Rua integrante do mais famoso quadrilátero do planeta Terra. Torcedor do Fluminense, filho de Luiz e Joanna, canhoto, apreciador de vinho, cantor de banheiro, ex-atleta, ex-cabeludo, arremedo de poeta e escritor, sonhador e eterno aprendiz.

17561visitas.

Últimas Reminiscências