Crônicas da Bariceia 3 anos atrás

Crônica da Bariceia

Nem a chuva impediu a caminhada de cerca de 20 mil fiéis em procissão por ruas do Centro de Manaus no domingo (19), dia de São José. Chamou a atenção o número de fiéis desempregados a pedir a intercessão do santo.

compartilhar

Onde deseja compartilhar?

0 visitas.

Josué Santos Barbosa

Nem a chuva impediu a caminhada de cerca de 20 mil fiéis em procissão por ruas do Centro de Manaus no domingo (19), dia de São José.  Chamou a atenção o número de fiéis desempregados a pedir a intercessão do santo.

O comércio de Manaus aposta em uma leve melhora para o feriado da Páscoa deste ano. A expectativa da Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus-CDL é que mantenha o número de vendas ou cresça até 1,5% em relação ao ano passado, quando houve retração de 15%. A única certeza é que é que o número de empregos temporários cairá em relação ao ano passado, quando a Páscoa gerou 29 mil vagas temporárias. A previsão para este ano é de 25 mil. A expectativa da CDL é otimista, mas entre o otimismo e a realidade há uma distância imensurável.

Em tempo de “Operação Carne Fraca” a Vigilância Sanitária de Manaus prometeu intensificar a fiscalização – avaliar condições de higiene para manipulação de carnes embaladas e originárias de outros estados – em frigoríficos desde a última segunda-feira (20). Naquela data, carnes, salsichas e calabresas de um estabelecimento na Avenida Torquato Tapajós, foram apreendidas. A investigação apura o envolvimento de fiscais do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) em um criminoso esquema de liberação de licenças, fiscalização irregular de frigoríficos e, ainda, adulteração de carne vencida. A Carne Fraca expõe uma ferida – que não sara nunca – criada e alimentada por humanos que têm a carne fraca.

Também na segunda-feira (20), com base no Parecer Técnico da Sefaz que apontava várias inconsistências nas planilhas sobre o aumento da passagem de ônibus, a conselheira do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM), Yara Lins dos Santos, decidiu notificar o prefeito em exercício de Manaus, Marcos Rotta, e o superintendente Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), Audo Albuquerque da Costa. Os dois gestores foram notificados na terça-feira (21) e receberam o prazo de cinco dias para responder ao TCE. Fico a imaginar o vexame se eles não conseguirem comprovar a correção das planilhas. Idem se comprovarem que a as inconsistências apontadas eram apenas implicância do governo estadual. Logo saberemos de que lado a corda romperá.

No dia 30 de março a Alfândega do Porto de Manaus realizará seu primeiro leilão do ano, exclusivamente para pessoas jurídicas. Há produtos como iPhones,  acessórios  para  motocicletas, ternos, tapetes, redes  de  pesca, toalhas,  cortinas,  fogões,  e até veículos, além de outras mercadorias. O início da sessão pública está programado para às 15h do dia 30 de março. A consulta ao edital do leilão deve ser realizada via internet. É uma pena que seja restrita a pessoas jurídicas, tenho um amigo precisando de um terno, outro de rede de pesca, uma amiga de cortinas, outra de um iPhone e eu de um carro.

Segundo a Caixa Econômica Federal, o valor injetado na economia local com o saque do FGTS de 36 mil trabalhadores do Amazonas (do dia 10 até 17 de março), chegou a mais de R$ 41 milhões. Segundo o Ministério do Trabalho o saque das contas inativas do FGTS beneficiará 341.206 trabalhadores do Amazonas. Que façam bom uso.

Na terça-feira (21) em uma ação de saúde, os indígenas venezuelanos acampados no perímetro do viaduto de Flores e do Terminal Rodoviário de Manaus receberam kits de higiene bucal, preservativos, medicamentos e avaliação dermatológica. Há indícios de que descobriram que Manaus não é o Eldorado e agora só querem um ônibus para voltar pra casa. Felizmente a data prevista é o dia 2 de abril, menos um dia e seria caso de duvidar.

Terça-feira (21) mais um buraco surgiu em plena via pública, dessa vez na Avenida Efigênio Salles. Para não variar, o trânsito complicou bastante no sentido Centro/bairro. Pense numa cidade esburacada. A chuva é viril e a terra é fértil. A primeira, sem encontrar resistência, rompe o asfalto, a segunda entra logo em trabalho de parto e o buraco nasce grande e robusto.

A Suframa finalmente começou a cobrar as duas novas taxas que tanto pleiteava. Isso deverá representar uma arrecadação anual de R$ 400 milhões de reais. Na terça-feira, no Congresso Nacional, a comissão de parlamentares destinada a discutir a medida provisória que criou essas taxas, realizou a primeira de uma série de audiências públicas para ouvir os setores que pagam essas taxas. Moisés Ferreira da Silva representou a indústria e José Fernando Oliveira da Silva, o comércio. Ambos concordam com a instituição das taxas, mas o primeiro reclama e discorda do momento do fato gerador que, pela proposta da medida provisória, ocorre antes que a mercadoria ingresse na Zona Franca de Manaus, o que causa pânico e caos logístico as nossas indústrias. O segundo espera que não venham onerar a atividade comercial e propõe que sejam cobradas de maneira escalonada, de acordo com as notas fiscais e os itens constantes das notas fiscais. Enquanto as audiências públicas acontecem, a Suframa cobra e fatura.

A juíza federal Jaiza Maria Pinto Fraxe condenou o ex-prefeito de Coari Adail Pinheiro e mais sete pessoas, por irregularidades na execução de um convênio entre o Ministério do Meio Ambiente e o Município de Coari, para implantação de um aterro sanitário e modernização da usina de reciclagem de lixo da cidade. Eles deverão pagar R$ 600 mil aos cofres públicos da União. Além da devolução da quantia de R$ 600 mil referente ao repasse de verbas, a juíza sentenciou os réus a terem os direitos políticos suspensos por oito anos e a pagar multa civil de R$ 50 mil cada um. Ficam ainda proibidos de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios e, ainda, perderão função pública que estiverem ocupando, em qualquer esfera. Trata-se de um desdobramento da Operação Vorax. Quem prevarica impune não fica.

Na quarta-feira (22) novo capítulo da novela “O Apagão Diário do Meu Torrão”, quando vários bairros de Manaus – zonas Norte, Sul e Leste – registraram queda de energia. É melhor não comentar a nota da Amazonas Energia, dá uma raiva.

Na quinta-feira (23) o plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) suspendeu  o julgamento do recurso do governador do Amazonas, José Melo, contra a decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE) que cassou o seu mandato e o do vice, Henrique Oliveira. A ministra Luciana Lóssio pediu vista durante o julgamento. Pergunta que não quer calar: o julgamento será retomado antes de maio? É que naquele mês  acaba o período da ministra Luciana Lóssio, no TSE. “El tiempo pasa, nos vamos poniendo viejos”(…)

Na quinta-feira (23) mais uma feira irregular foi demolida, desta vez no bairro São José, Zona Leste de Manaus. Eram cerca de 50 barracas de madeira, construídas na calçada dos fundos da Escola Estadual Ernesto Penafort, na Rua Beija Flor. Não houve confronto. Curiosamente os moradores não gostaram da medida. Disseram que a calçada estava  coberta de mato, era ponto de droga e, com a feira, passou a ter movimento afastando os usuários de entorpecentes. Coerente seria regularizar uma feira de produtos permitidos a restabelecer um ponto de venda de produtos proibidos.

E a bagunça das paralisações dos rodoviários continua apenando os usuários dos transportes coletivos. Na manhã de ontem, quinta-feira (23), foi a vez dos rodoviários da empresa Líder cruzarem os braços. O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado Amazonas (Sinetram) estima que 20 mil usuários foram afetados. Isso é de uma irresponsabilidade e maldade sem tamanho. O muro de Berlim veio a baixo, o muro da fronteira dos Estados Unidos com  México, parece, será erguido. O muro baixo de Manaus nem aumenta nem é derrubado, égua!

No ano passado, 2.215 veículos usados em ações criminosas foram apreendidos. Este ano, somente até o mês de fevereiro, 515 já foram apreendidos – 264 carros e 251 motocicletas -, quase um quarto do total de veículos recolhidos em 2016. A velocidade da criminalidade não pisa no freio.

Após denúncias, ontem a Polícia Civil fechou uma fábrica clandestina de maquiagens e cosméticos no bairro Coroado. O local funcionava sem licença e não possuía as mais elementares necessidades de higiene previstas na legislação ambiental para a manipulação dos produtos. Maquiagem é um substantivo que ultimamente tem sido usado para esconder tudo, menos rosto. Dessa vez as denúncias não permitiram que os cosméticos maquiassem a sua clandestinidade.

Comente

banner

Veja mais

banner
sobre

Lucio
Bezerra

Manauara, criado na José Clemente, Rua integrante do mais famoso quadrilátero do planeta Terra. Torcedor do Fluminense, filho de Luiz e Joanna, canhoto, apreciador de vinho, cantor de banheiro, ex-atleta, ex-cabeludo, arremedo de poeta e escritor, sonhador e eterno aprendiz.

22082visitas.

Últimas Reminiscências