Opinião 1 ano atrás

ENTRE MILHÕES E MILHÕES

O “glorioso” prefeito de Tapauá, José Bezerra Guerra, o comandante da Polícia Militar e três vereadores, incluindo o presidente da Câmara, foram presos e dez dos onze vereadores afastados dos seus mandatos. Os vereadores recebiam um “mensalinho” de …

compartilhar

Onde deseja compartilhar?

0 visitas.

Enquanto eu pensava cá com os meus botões…

O “glorioso” prefeito de Tapauá, José Bezerra Guerra, o comandante da Polícia Militar e três vereadores, incluindo o presidente da Câmara, foram presos e dez dos onze vereadores  afastados dos seus mandatos. Os vereadores recebiam um “mensalinho” de R$ 3.000,00 de um empresário, irmão do presidente da Câmara, para ficarem de bico calado sobre as transações realizadas pela Prefeitura de Tapauá. Suspeita-se que a quadrilha formada por políticos e empresários locais tenha desviado, apenas em 2017, R$ 60 milhões. Só o cândido vice-prefeito, que “nada sabia”, acredita na inocência dos envolvidos e alega que isso deve ser um equivoco ou ardil da oposição.

Ora, ora, ora, dona Aurora.

Finalmente a polícia federal concluiu o inquérito que investigava os responsáveis pelo apartamento de Salvador, aquele que guardava as malas do Geddel, contendo R$ 51 milhões. Segundo o inquérito, há indícios de que o ex-ministro de Temer e o irmão dele, deputado federal Lúcio Vieira Lima (PSDB), cometeram associação criminosa e lavagem de dinheiro. A PF, com a ajuda do Banco Central, descobriu que quase todas as cédulas encontradas no apartamento, sairam do Banco do Brasil, em São Paulo, recurso sacado entre 2012 e 2015. A “merreca”, advinda de “tenebrosas transações”, era de propriedade de Geddel, “el papito llorón”, e de seu irmão, Lúcio Vieira Lima que, suspeita-se, praticava ilicitudes relacionadas a medidas legislativas.

A goela dos irmãos metralhas baianos engolia acarajés envoltos em papel fiduciário, com predominância da cor azul, medindo 140 x 65 mm e contendo as estampas da República e da garoupa.

Na 4ª Região de Porto Alegre, a Oitava Turma do Tribunal Regional Federal manteve o bloqueio de R$ 16 milhões do ex-presidente Lula. Em decisão unanime, os três desembargadores que compunham a Turma decidiram que o destinatário desse pedido de desbloqueio, deve ser o Juiz Sérgio Moro, em Curitiba.   O bloqueio foi determinado por Moro, em julho, no processo que envolve o apartamento tríplex no Guarujá. É essa mesma Oitava Turma, que julgará a condenação de Lula a nove anos e seis meses de prisão, no processo que trata do esquema de corrupção entre a empreiteira OAS e a Petrobras. Se a sentença de Moro for confirmada, Lula poderá ficar inelegível para a disputa presidencial em 2018.

Não há data prevista para o julgamento, mas há o temor do PT de que Lula, “o milionário”, também seja bloqueado – assim como os seus milhões – e fique fora das próximas eleições.

De volta para as terras de Ajuricaba, mas sem deixar de lado o papo de milhões, segundo o portal da Transparência, a Umanizzare Gestão Prisional, aquela empresa que administra quase todas as unidades prisionais do Amazonas, incluindo o Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), onde ocorreu um massacre no início de 2017, com a morte de mais de 60 detentos,  já recebeu, só em 2017, principalmente durante o desastroso governo Melo, mais de R$ 115 milhões. A Procuradoria Geral do Estado (PGE-AM) intimou a empresa a pagar R$ 7.089.000 em multas ao governo do Amazonas. O prazo dado pela PGE já encerrou e a quantia passou a representar dívida ativa. As multas se referem a motins e fugas de detentos nos anos de 2015 e 2016. A “firma” também responde a um processo no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), que tramita na 2ª Vara da Dívida Ativa Estadual, referente a multas devidas ao Estado no valor de R$ 3,2 milhões. São multas decorrentes do não cumprimento de cláusulas dos contratos firmados.

Sei não, mas só há uma válvula de escape, evocar Ajuricaba com flechas e tacapes.

Na casa dos milhões, está o não pagamento de contratos das empresas de locação de veículos das polícias civil e militar. O valor da dívida acumulada, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), é de R$ 9.427.156,75. Diz a SSP que o montante é “herança maldita” da gestão de David Almeida, “o interino” governador, pois, apesar da existência de pagamentos pendentes do exercício financeiro de 2015, a maior parte da dívida se concentra no período de maio a setembro de 2017, exatamente o intervalo de tempo em que David Almeida assumiu o governo.

O David, quem diria, deixou essa herança aí.

Comente

banner

Veja mais

banner
sobre

Lucio
Bezerra

Manauara, criado na José Clemente, Rua integrante do mais famoso quadrilátero do planeta Terra. Torcedor do Fluminense, filho de Luiz e Joanna, canhoto, apreciador de vinho, cantor de banheiro, ex-atleta, ex-cabeludo, arremedo de poeta e escritor, sonhador e eterno aprendiz.

16690visitas.

Últimas Reminiscências