Opinião 2 meses atrás

ENTRE MILHÕES E MILHÕES

O “glorioso” prefeito de Tapauá, José Bezerra Guerra, o comandante da Polícia Militar e três vereadores, incluindo o presidente da Câmara, foram presos e dez dos onze vereadores afastados dos seus mandatos. Os vereadores recebiam um “mensalinho” de …

compartilhar

Onde deseja compartilhar?

0 visitas.

Enquanto eu pensava cá com os meus botões…

O “glorioso” prefeito de Tapauá, José Bezerra Guerra, o comandante da Polícia Militar e três vereadores, incluindo o presidente da Câmara, foram presos e dez dos onze vereadores  afastados dos seus mandatos. Os vereadores recebiam um “mensalinho” de R$ 3.000,00 de um empresário, irmão do presidente da Câmara, para ficarem de bico calado sobre as transações realizadas pela Prefeitura de Tapauá. Suspeita-se que a quadrilha formada por políticos e empresários locais tenha desviado, apenas em 2017, R$ 60 milhões. Só o cândido vice-prefeito, que “nada sabia”, acredita na inocência dos envolvidos e alega que isso deve ser um equivoco ou ardil da oposição.

Ora, ora, ora, dona Aurora.

Finalmente a polícia federal concluiu o inquérito que investigava os responsáveis pelo apartamento de Salvador, aquele que guardava as malas do Geddel, contendo R$ 51 milhões. Segundo o inquérito, há indícios de que o ex-ministro de Temer e o irmão dele, deputado federal Lúcio Vieira Lima (PSDB), cometeram associação criminosa e lavagem de dinheiro. A PF, com a ajuda do Banco Central, descobriu que quase todas as cédulas encontradas no apartamento, sairam do Banco do Brasil, em São Paulo, recurso sacado entre 2012 e 2015. A “merreca”, advinda de “tenebrosas transações”, era de propriedade de Geddel, “el papito llorón”, e de seu irmão, Lúcio Vieira Lima que, suspeita-se, praticava ilicitudes relacionadas a medidas legislativas.

A goela dos irmãos metralhas baianos engolia acarajés envoltos em papel fiduciário, com predominância da cor azul, medindo 140 x 65 mm e contendo as estampas da República e da garoupa.

Na 4ª Região de Porto Alegre, a Oitava Turma do Tribunal Regional Federal manteve o bloqueio de R$ 16 milhões do ex-presidente Lula. Em decisão unanime, os três desembargadores que compunham a Turma decidiram que o destinatário desse pedido de desbloqueio, deve ser o Juiz Sérgio Moro, em Curitiba.   O bloqueio foi determinado por Moro, em julho, no processo que envolve o apartamento tríplex no Guarujá. É essa mesma Oitava Turma, que julgará a condenação de Lula a nove anos e seis meses de prisão, no processo que trata do esquema de corrupção entre a empreiteira OAS e a Petrobras. Se a sentença de Moro for confirmada, Lula poderá ficar inelegível para a disputa presidencial em 2018.

Não há data prevista para o julgamento, mas há o temor do PT de que Lula, “o milionário”, também seja bloqueado – assim como os seus milhões – e fique fora das próximas eleições.

De volta para as terras de Ajuricaba, mas sem deixar de lado o papo de milhões, segundo o portal da Transparência, a Umanizzare Gestão Prisional, aquela empresa que administra quase todas as unidades prisionais do Amazonas, incluindo o Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), onde ocorreu um massacre no início de 2017, com a morte de mais de 60 detentos,  já recebeu, só em 2017, principalmente durante o desastroso governo Melo, mais de R$ 115 milhões. A Procuradoria Geral do Estado (PGE-AM) intimou a empresa a pagar R$ 7.089.000 em multas ao governo do Amazonas. O prazo dado pela PGE já encerrou e a quantia passou a representar dívida ativa. As multas se referem a motins e fugas de detentos nos anos de 2015 e 2016. A “firma” também responde a um processo no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), que tramita na 2ª Vara da Dívida Ativa Estadual, referente a multas devidas ao Estado no valor de R$ 3,2 milhões. São multas decorrentes do não cumprimento de cláusulas dos contratos firmados.

Sei não, mas só há uma válvula de escape, evocar Ajuricaba com flechas e tacapes.

Na casa dos milhões, está o não pagamento de contratos das empresas de locação de veículos das polícias civil e militar. O valor da dívida acumulada, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), é de R$ 9.427.156,75. Diz a SSP que o montante é “herança maldita” da gestão de David Almeida, “o interino” governador, pois, apesar da existência de pagamentos pendentes do exercício financeiro de 2015, a maior parte da dívida se concentra no período de maio a setembro de 2017, exatamente o intervalo de tempo em que David Almeida assumiu o governo.

O David, quem diria, deixou essa herança aí.

Comente

sobre

Lucio
Bezerra

Manauara, criado na José Clemente, Rua integrante do mais famoso quadrilátero do planeta Terra. Torcedor do Fluminense, filho de Luiz e Joanna, canhoto, apreciador de vinho, cantor de banheiro, ex-atleta, ex-cabeludo, arremedo de poeta e escritor, sonhador e eterno aprendiz.

9037visitas.

Últimas Reminiscências