Manáuseas 1 ano atrás

Manaus precisa de uma nova Katharine e um novo Harry

Relacionar a lista completa de todos os bairros da cidade carentes da intervenção do Poder Público tornaria este texto poluído e fétido, por isso, para ilustrar, cito alguns: a “Tábua” entregue aos sofridos Moisés do bairro Vale do Sinai, não têm lei, só buracos, sujeiras, mato e abandono; o Coroado está …

compartilhar

Onde deseja compartilhar?

0 visitas.

Em 1949, a americana Katharine Harper criou o Serviço de Limpeza de Manaus, uma atividade executada apenas por mulheres, o que lhes rendeu a fama de “As Mulheres do Lixo”. Tendo como base o princípio de quanto “mais limpo o auxiliar, mais limpo o trabalho”, elas  trabalhavam de macacões brancos. Primeiramente ela e o marido, o escocês Harry Kant, foram ridicularizados pela imprensa e pelos políticos, mas depois que o governo repassou o trabalho para o casal, Manaus que tinha – tal como agora – um serviço de limpeza pública ineficiente, passou a ser uma das mais limpas cidades do país.

Passados sessenta e oito anos, mostrar a cidade para um visitante causa-me desgosto e enorme embaraço, me dão tristeza e vergonha andar pelas ruas dos bairros de Manaus, ora a me deparar com lixões, ora com esgotos a céu aberto. A uma parcela da população falta educação, aos gestores públicos, competência.

Relacionar a lista completa de todos os bairros da cidade carentes da intervenção do Poder Público tornaria este texto poluído e fétido, por isso, para ilustrar, cito alguns: a “Tábua” entregue aos sofridos “Moisés” do bairro Vale do Sinai, não têm lei, só buracos, sujeiras, mato e abandono; o Coroado está coroado de monturos; o Parque Dez não consegue tirar seis; o Mutirão chora por um mutirão; o bairro Nova Esperança há muito perdeu essa disposição espiritual; o bairro Compensa anda meio descompensado; o Monte das Oliveiras precisa ser azeitado; O bairro Cidade de Deus parece por Ele ter sido abandonado e, por último, a Manaus Moderna, um triste retrato do atraso.  

Há um Projeto de Lei de autoria do vereador Plínio Valério (PSDB) que, parece, começou a tramitar na Câmara Municipal de Manaus (CMM). O ato normativo estabelece multa no valor de R$ 998,40, caso o “sujismundo” seja flagrado jogando lixo nas ruas da cidade. Torço que dê certo, mas sou cético quanto à eficácia da lei e a eficiência da secretaria municipal responsável pelo setor.

Para que Manaus volte a ser cidade limpa que um dia foi só um milagre, como o surgimento de uma nova Katharine e um novo Harry. Enquanto o milagre não se cristaliza, Manaus continua sitiada pelo numeroso exército de descompromissados com a higiene e gestores que fazem da sujeira um negócio rentável.

Comente

sobre

Lucio
Bezerra

Manauara, criado na José Clemente, Rua integrante do mais famoso quadrilátero do planeta Terra. Torcedor do Fluminense, filho de Luiz e Joanna, canhoto, apreciador de vinho, cantor de banheiro, ex-atleta, ex-cabeludo, arremedo de poeta e escritor, sonhador e eterno aprendiz.

14714visitas.