Sô Cutruco 5 meses atrás

O ORÁCULO DO SÔ CUTRUCO

Bolsonaro despontou e está a incomodar, a provar que uma andorinha só pode fazer verão.

compartilhar

Onde deseja compartilhar?

0 visitas.

Entre os dias 20 de julho – próxima sexta-feira – e 5 de agosto, ocorrerão as convenções partidárias para a escolha de candidatos e definições de coligações. Por enquanto, como é natural, a maioria das legendas flerta ou é cortejada por alguns candidatos. Depois dessa fase acontecem os “casamentos”, uns duradouros – quando a aliança sai vitoriosa -, mas cheios de “incompatibilidades” – quando interesses do(s) noivo(s) ou noiva(s) são contrariados-; outros são efêmeros e oportunistas, e acabam imediatamente após as eleições.
Nas duas últimas semanas, uma enxurrada de correspondências eletrônicas foi dirigida à caixa postal do Sô Cutruco, todas elas a indagar sobre as eleições 2018, especialmente sobre os potenciais candidatos a sucessão presidencial. Ele responderá a todos.
Por ter sido o nome mais citado, Jair Bolsonaro será o primeiro dos pré-candidatos. Vamos às perguntas e respostas.

Pergunta 1- O cenário político nacional está definido? Bolsonaro será o próximo presidente da República? (Sandra Maria Alvares, residente no município de Itacoatiara)

Resposta – O cenário político nacional parece definido, todavia, alguns fatores ainda podem modifica-lo e influencia-lo, com a escolha do eleitor de seu candidato à presidência do Brasil. Com Lula fora do páreo, o que parece o mais provável se a lei da ficha limpa não for estuprada, o candidato Jair Bolsonaro é quem mais se destaca, em uma eleição que não deverá ser decidida no primeiro turno. Entretanto, senhora Sandra, ser o mais destacado não é garantia de vitória.

Pergunta 2- Que fatores têm contribuído para a intenção de votos dada ao pré-candidato Jair Bolsonaro? (Paulo Henrique Bustamante de Miranda, morador do bairro Educandos).

Resposta – A intenção de votos pró-Bolsonaro resulta de vários fatores, senhor Paulo Henrique, dentre os quais se destacam os escândalos que envolvem os principais partidos que estão a dominar a cena política do país há décadas, suas figuras de proa e, principalmente, a condenação e prisão de Lula. Agregue-se a isso, um cansaço sem tamanho da classe política e a esperança do aparecimento de um “salvador da pátria”. Sabedor disso e da insuportável insegurança pública porque passa o Brasil, o pré-candidato Jair Bolsonaro fez da insegurança a sua bandeira principal.

Pergunta 3 – É notória a resistência a Jair Bolsonaro, por quê? (Pablo dos Santos Vitalino, bairro São José)

Resposta – Procede, senhor Pablo, a resistência a Bolsonaro é considerável, há os que afirmem que ele não tem competência técnica para debater, publicamente, questões como economia e globalização; outros temem que ele se assessore de muitos militares; outros, por alguns posicionamentos controversos do pré-candidato, o veem como uma ameaça. Para os desmemoriados, ficam dois questionamentos: não era isso que se pensava de Lula – falta de competência técnica – em sua primeira eleição? Lula também não era tido como uma ameaça? E o que dizer de Dilma, que entrou e saiu sem que tenha adquirido a tal competência técnica? Em verdade, ainda lhe falta estrutura política, a retaguarda de um ou mais partidos.

Pergunta 4 – Sendo Bolsonaro um candidato de direita, que partido ou partidos políticos se aliariam a ele? (Belmira Patrício da Silva, residente no bairro Alvorada)

Resposta – Esse maniqueísmo de direita X esquerda no Brasil é uma falácia, não passa de retórica, senhora Belmira. Quantas alianças estapafúrdias, em nome do que se convencionou chamar de governo de coalizão, já foram firmados nas últimas décadas, especialmente durante o governo do PT, que se aliançou ao que de mais retrógrado havia na política deste país, ora, pois? Mas para atender ao seu questionamento, PRTB, PSDC, PSL e NOVO, são considerados partidos de direita. Entretanto, a excetuar-se o partido do pré-candidato Bolsonaro (PSL), é o PR, partido de centro-direita, que está a flertar com o PSL.

Pergunta 5- O Sô Cutruco acha que o PR fechará aliança com o PSL de Bolsonaro? (Frederico Galvez de Almeida, morador do bairro Compensa)

Resposta – Eu penso que há essa possibilidade, mas isso se o vice de Bolsonaro for do PR. Se o pré-candidato escolher como vice um nome indicado por outro partido, a aliança não será firmada, senhor Frederico. A expectativa é que a chapa tenha em sua composição como vice, o senador Magno Malta (PR-ES), mais isso será decidido nos próximos dias. Malta ainda está na dúvida se entra na corrida presidencial ou tenta reeleição. Senhor Francisco, devo lhe dizer que essa aliança será muito importante para as pretensões de Bolsonaro, pois isso ampliaria o tempo de propaganda de rádio e televisão do pré-candidato, além de fortalecê-lo em todos os estados, coisas que ainda lhe faltam.

Pergunta 6 – O Sô Cutruco acredita que nas próximas eleições não teremos a polarização PT X PSDB? ( Claudia Gomes Barroso, residente no bairro Mutirão)

Resposta – A política é dinâmica, senhora Claudia, é um terreno onde tudo pode acontecer, mas, pelo andar da carruagem, penso que não teremos essa polarização, algo que ocorreu nas últimas seis eleições. É que o eleitor cansou desse protagonismo, desgastado com tantos escândalos e roubalheira. Por isso Bolsonaro despontou e está a incomodar, a provar que uma andorinha só pode fazer verão.

Pergunta 7 – Lula preso tem capacidade de transferir votos? Quais são os principais adversários de Jair Bolsonaro nas eleições deste ano? (Roberto Santiago da Silva, mora no município de Coari)

Resposta – Mesmo se estiver preso, o ex-presidente Lula tem sim capacidade para transferir votos, senhor Roberto. Segundo as pesquisas, o candidato que Lula apoiar teria 30% do eleitorado que “com certeza” nesse votaria -, mas se considerarmos que o provável candidato do PT será Fernando Haddad ou Jaques Wagner… Todavia, não é improvável o apoio de Lula a um candidato de outra legenda, por assim entender, Bolsonaro (PSL) deverá ter como prováveis principais adversários Marina Silva (REDE) e Ciro Gomes (PDT). De qualquer maneira, apesar da tendência desfavorável, Geraldo Alckmin (PSDB) não está fora dessa pugna eleitoral.

Pergunta 8- Com o financiamento empresarial ausente nas eleições deste ano, que fatores serão decisivos para a eleição de Bolsonaro? Quando os partidos devem definir seus candidatos e coligações? O senhor tem candidato à presidência da República? Como o senhor avalia a batalha que Bolsonaro enfrentará? (Camilo Vasques da Costa, morador do bairro Lírio do Vale)

Resposta – Quantas perguntas, senhor Camilo! Vamos lá: tempo de TV e a máquina administrativa serão muito importantes nas eleições que se aproximam, só para que o senhor tenha uma ideia, PT, MDB e PSDB têm a sua disposição recursos financeiros entre R$ 271 milhões e R$ 313 milhões, recursos que faltam ao PSL de Bolsonaro. Todavia, as redes sociais – WhatsApp, Twitter, Facebook, Youtube e Instagram – se usados inteligentemente, serão determinantes.
A lei eleitoral estabelece que entre 20 de julho e 5 de agosto, os partidos devem definir seus candidatos e respectivas coligações. A campanha – com horário eleitoral gratuito incluído – começa em 16 de agosto e terá apenas 45 dias.
Não tenho predileção por nenhum candidato, senhor Camilo, rogo apenas que seja alguém que tire o país do Caos que hoje está a viver.
Quanto à luta que Jair Bolsonaro deverá encarar quando a campanha começar, com o perdão da figura de linguagem, será a luta de um Davi contra vários Golias.

Comente

sobre

Lucio
Bezerra

Manauara, criado na José Clemente, Rua integrante do mais famoso quadrilátero do planeta Terra. Torcedor do Fluminense, filho de Luiz e Joanna, canhoto, apreciador de vinho, cantor de banheiro, ex-atleta, ex-cabeludo, arremedo de poeta e escritor, sonhador e eterno aprendiz.

15960visitas.

Últimas Reminiscências