Sô Cutruco 2 meses atrás

O ORÁCULO DO SÔ CUTRUCO

Quanto maior for a quantidade de votos nulos e brancos, menor será o quociente eleitoral e mais fácil será para o candidato conquistar a vaga.

compartilhar

Onde deseja compartilhar?

0 visitas.

Pergunta 1: Boa tarde, Sô Cutruco! Meu nome é Amanda Nascimento Braga, moradora do João Paulo. De todos os candidatos ao governo do estado do Amazonas que já lançaram suas candidaturas oficialmente ou ainda a lançarão, nenhum me agrada, todos são profissionais da mentira e não cumpridores do suas promessas. Assim, pretendo anular o meu voto. O que o senhor pensa dessa minha opção?
Resposta: Estúpida – para não adjetivar de outra coisa – senhora Amanda. Entenda: se a senhora e significativa parcela dos eleitores votar nulo, o seu e os votos dos demais serão descartados, com isso, ganhará o candidato com o maior número de votos válidos, ora, pois! Somente os votos válidos são considerados na contagem final, senhora Amanda. Ao optar por anular o seu voto, a senhora estará a contribuir para o sucesso do ou dos candidatos que não lhe agradam. Se a senhora é daquelas que acredita que, se 50% ou mais dos eleitores votarem “nulo” anulará a eleição, está redondamente enganada. Bem, a propósito do que penso, objeto de sua pergunta, respondo: vote naquele que a senhora ainda deposita um pouco de credibilidade ou de esperança; vote em um candidato ficha limpa, que não tenha embaraços com a justiça. Esse candidato pode até não se sagrar vitorioso, mas a senhora terá feito valer o seu direito, terá exercitado a cidadania e contribuído para democracia. É necessário participar da vida eleitoral do país, senhora Amanda, escolher os seus representantes, dar a sua contribuição na escolha do futuro governante do Amazonas. Para finalizar, ainda que deste senhor tenha cá minhas reservas, bem definiu para a revista Superinteressante, o ministro do STF, Marco Aurélio Melo: “Dar uma de avestruz, enfiando a cabeça na areia e deixar o vendaval passar, é a melhor forma de comprometer negativamente o futuro do país”.
Pergunta 2 – Em sinal de protesto eu pretendo votar em branco, mas se ainda pudesse votar por escrito em cédula, escolheria, quem sabe, uma figura esdrúxula, excêntrica ou caricata do nosso estado. Os que se apresentam como candidatos não me representam. Então, como o Sô Cutruco avalia essa minha decisão? Meu nome é Damião Salgado, sou natural de São Paulo, resido na Grande Vitória, Zona Leste de Manaus.
Resposta – É burrice votar em “branco” senhor Damião. O voto em “branco”, assim como o voto “nulo”, só favorecerá os candidatos que o senhor não gostaria que vencessem. A resposta anterior, dada à senhora Amanda, responde a esta sua. Quanto ao seu desejo de volta ao passado e votar através de cédula eleitoral, é um retrocesso sem tamanho. O chamado voto de protesto só chegou a fazer sentido durante a ditadura, hoje, não. Há que se exercer a democracia, senhor Damião. Imagina votar do bode cheiroso como o fizeram os pernambucanos em 2002? Ou votar, por convicção ou deboche, em um candidato como Enéas Carneiro que, naquela mesma eleição, recebeu 1,6 milhões de votos, o que garantiu, por conta da representação proporcional, eleger cinco outros candidatos de seu partido, sem qualquer expressividade, algo definitivamente grotesco. Vote em ficha limpa, em que não tenha contas a ajustar com a Justiça. O voto em “branco” não é válido, por isso, não irá para nenhum candidato, partido político ou coligação. É um ato de conformismo, ou seja: o senhor ficará feliz com qualquer candidato que venha a vencer. Tenha a santa paciência, senhor Damião, mas essa será uma decisão de um analfabeto político, e isso eu imagino que o senhor não o seja.
Pergunta 3 – Sô Cutruco, eu já tenho os meus candidatos definidos para a eleição que se aproxima, entretanto, quero saber se votar em branco ou nulo dá alguma vantagem aos candidatos proporcionais? Meu nome é Beth Boanerges de Souza, moro no Jorge Teixeira.
Resposta – Senhora Beth, sua pergunta é pertinente, por isso a deixei para responder depois dos leitores anteriores. Veja bem, hoje está a vigorar no pleito eleitoral do Brasil, o princípio da maioria absoluta de votos válidos. Este princípio considera, tão somente, os votos válidos, que são os votos nominais e os de legenda. Quanto às eleições proporcionais – para os cargos de deputado federal, deputado estadual e vereador -, a situação muda completamente e os votos nulos e brancos interferem sim, drasticamente, no resultado das eleições. Nesse caso, para ser eleito para um desses cargos, o candidato necessita atingir o quociente eleitoral, que é o índice que determina o número de vagas que cada partido ocupará no legislativo, conquistado pela divisão do número de votos válidos – votos esses atribuídos aos candidatos ou à legenda – pelo número de vagas a serem preenchidas. Desse modo, senhora Beth, quanto maior for a quantidade de votos nulos e brancos, menor será o quociente eleitoral e mais fácil será para o candidato conquistar a vaga. Eis a razão de muitas vezes um candidato obter menos votos que outros e se eleger, puxado que é pela votação significativa de outro candidato do partido ou pelos votos da legenda. Folgo em saber que a senhora já escolheu os seus candidatos, assim, não engrossará as fileiras dos tolos que escolhem votar “nulo” ou em “branco”.
Pergunta 4 – Sô Cutruco, é verdade que a eleição será anulada se 50% dos votos forem nulos? Eu me chamo Pedro Paulo Barbosa, sou morador de Manacapuru.
Resposta – Muitos são os brasileiros, eleitores ou não, que estão a confundir, ou a não saber interpretar devidamente, o artigo 224 do Código Eleitoral, que assim consagra: “Se a nulidade atingir a mais de metade dos votos do país nas eleições presidenciais, do Estado nas eleições federais e estaduais ou do município nas eleições municipais, julgar-se-ão prejudicadas as demais votações e o Tribunal marcará dia para nova eleição dentro do prazo de 20 (vinte) a 40 (quarenta) dias.” Bem, essa nulidade só diz respeito aos votos considerados nulos pela Justiça Eleitoral, em decorrência de algum crime praticado, de algum vício porventura identificado. Um exemplo clássico é se houver a comprovação de que votos foram comprados por algum candidato. Logo, senhor Pedro Paulo, 50% de votos nulos não cancelam eleição coisa nenhuma. Votar é o melhor que o senhor tem a fazer, senhor Pedro Paulo.

Comente

sobre

Lucio
Bezerra

Manauara, criado na José Clemente, Rua integrante do mais famoso quadrilátero do planeta Terra. Torcedor do Fluminense, filho de Luiz e Joanna, canhoto, apreciador de vinho, cantor de banheiro, ex-atleta, ex-cabeludo, arremedo de poeta e escritor, sonhador e eterno aprendiz.

14714visitas.